quarta-feira, 4 de março de 2009

CAMELOS VOADORES


















.

camelos voadores riem da minha cara
olhando ao espelho quebrado vejo vozes amareladas
outra manhã nesse recinto pouco arejado
sabor e cheiro suave de pão de queijo com mousse de maracujá

bate-se a porta ao lado
é outro ser que desperta enquanto o sol ainda não brilha
diálogo é o último desejo de quem deseja dormir
mas acordado louvamos a aurora borrada de branco

luzes cintilantes internas me ofuscam
daquilo que pretendia colorir
mas agradeço o ar poluído que exalo
deito e repouso nesse travesseiro de pedra.

Éffe

2 comentários:

MARCELO FARIAS disse...

Excelente!

Bento disse...

esse poema é muito massa
o F, nunca escreve o convencional
por isso na maioria das vezes gosto
do que esse gordo doido escreve!!

Calaça