sábado, 23 de fevereiro de 2008

FIM DO MUNDO


















Não sei dessa construção cristã
greco-pérsica
o poder de me abater.
Apenas sei das almas caindo no abismo
para a segunda morte.
Os céus abrem em minha mente
mesmo que eu não queira
e tudo se torna negro como um saco de crina.
O Diabo sorri na carta XV.
Em outra a Torre desaba
e por fim O Julgamento,
seguido da Morte...
e eu dependurado,
Enforcado pelo pé,
que ousa caminhar por onde não deve.
O maior pecado: desobedecer!
Desobedecer e não cegar e querer ver,
querer provar!
Querer saber o que foi proibido:
o fruto da Árvore do Conhecimento.
Tinha que ser Eva pecadora,
sedutora ingênua, irmã
de uma humanidade dolente
filha de Pandora,
enteada de Prometeu.
E quem sou eu?! E quem sou eu!...
Para contrariar a ordem de Deus!
Mesmo que ela seja injusta,
pois é justa a punição eterna
e mesmo linda!
Linda de morrer...



Marcelo Farias - Ultramodernidade.

4 comentários:

Muryel De Zoppa disse...

gosto de teus arranhos.

Muryel De Zoppa disse...

Sempre estabelecendo poesia no riscado.

Duda disse...

Divino!

Mogul disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.