quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

NOITE VAZIA














Todas as essências de um sonho
dão um brilho ao meu cotidiano.
No vago, megulho em teus olhos,
fugitiva de um amor insano.
Afinal, o que tanto eu procuro
está dentro, não muito distante.
E sinto cada vez mais duro
esse seu silencioso semblante.
E na noite leve sobre a cama, cismo.
Penso no desejo que me envaidece.
Nessa tua gama que me faz tão fria,
sou noite vazia de um dia em flama.



Pollyanna Furtado. Ilustração: Ariadne - John William Waterhouse.

3 comentários:

MARCELO FARIAS disse...

Sua poesia goza!...

Marisar disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Kazahn disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.