segunda-feira, 21 de abril de 2008

PROSA (ou Antinomia Entre Pollyanna Furtado e Duda de Oliveira)






















É preciso ter tédio para fazer prosa.
Poetas não fazem prosa.
Quem não sente frio não pari prosa.
A prosa tem mãe no ambiente
e não no sangue da gente.
A prosa é urbana,
desumana!
A prosa é a moça que mostra o corpo no filme pornográfico.
No foco certo, no ângulo exato.
Não é atriz de teatro.
A prosa é um saco
de segredos guardados mas sem paixão.
Razão que não engasga no depoimento.
É o silêncio
do verso oco e desnaturado.
A prosa é o fato.
Que passa fora de mim
e espera minha reação.



Marcelo Farias - Ultramodernidade.

Um comentário:

Duda disse...

Perfeito! Divino!
Muito obrigada!