terça-feira, 23 de dezembro de 2008

A DANÇA DE SALOMÉ






















O sabor do fruto comido à noite
tem algo de inebriante.
O jogo entre a luz e a sombra
é como o espelho da alma.
A paixão é a pena que escreve o enredo da estória
e a felicidade é triste,
pois é triste ser feliz.
O amor dói
e o sono é o conforto temporário.
Meus sonhos não me deixam dormir.
Sonho como uma noite de verão!
O dia é a noite de uma estrela só
e a noite é o dia dos que sonham.
Não tenho religião.
O herói é filho dos deuses!
Deus criou a loucura
pra brincar de São João.
Perdendo a cabeça num prato
Na dança de Salomé.
Vamos perder a cabeça!
e brincar de esconde-esconde!
Na noite de São Nicolau
ressuscitaremos ao terceiro dia!




Marcelo Farias - Ultramodernidade. Ilustração: Salomé - John Coulthart (2002).

2 comentários:

Eduardo dos Anjos disse...

O jogo de antíteses bem como as alegorias e referências bíblicas tornaram o poema mt interessante!

Belas imagens!

Trish River disse...

Muito bom!


=]