sábado, 28 de fevereiro de 2009

A TUDO SEREI ATENTO






















.

Mil vezes a cegueira me tome!
Porque ter nascido homem,
Se como fera é que me sinto...?
Hoje bebi absinto,
E sinto que não caiu bem.

Bem... Bem... Bem feito
Aos que, como eu mesmo,
Viveram cem anos a esmo
Matando a galinha dos ovos de ouro,
Pensando ser de bom agouro
Vender a janta
Para bancar um almoço...

Fui moço
Antes que os vícios me envelhecessem.
Antes que os sonhos adormecessem,
E que toda a cidade dormisse.
Quem foi que disse
Que, de olhos bem abertos,
Enxerga-se algo além
Da ponta do nariz?

Diz...Diz... Diz logo que ando meio louco,
E que falta pouco
Para eu danar a falar
Do cocô à bomba atômica!
Lamba-me o bico do peito,
E arrume logo um jeito
Para que eu te entenda melhor...

Mas faça rápido,
Antes que eu acorde.
Vê se pode
Um cara delirar assim!
Posso...Posso... Posso sim!
E danem-se convenções,
Leis ou tratados.
Vou acender um baseado
Para tentar sonhar
Atentamente
Uma outra vez...

Viu só
Para que serve
Essa bosta de
Lucidez...?


Eduardo Perrone. Ilustração: Salvador Dali.

4 comentários:

MARCELO FARIAS disse...

Acho que colocaram poesia na sua bebida...

Trish River disse...

Eu amo absinto! =]
E amei o texto também...

Rosa Cardoso disse...

Adorei o texto.

Bento disse...

muito massa Perrone!!
já tomei absito!foi uma viagem
muito doida de três dias, misturei com outras coizitas ...


Calaça