quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

POEMA PARA UMA BIBLIOTECA
















A pureza do silêncio
move palavras espectrais
ouve-se o vento e o mar
nas páginas de um livro.

O silêncio cristaliza pérolas
faz crescer ostras , lima pedras,
dá asas a peixes e cobras.

O silêncio devora florestas de livros.


Bento Calaça

3 comentários:

MARCELO FARIAS disse...

Dá pra ouvir o toque sereno do relógio... e o cheiro dos livros...

Duda disse...

Que arrepio! Poema lindo demais!

Bento Calaça disse...

vaLeus gente!
obrigado pela leitura
do meu poema

abração nordestino!