sábado, 3 de janeiro de 2009

POEMA DE AMOR





















A noite se resume em mim:
anjos quebrados,
estúpidos pecadose esse gosto de sal e ódio
alimentando o desespero
e esse amor,
piegas e insuportável.

Mutilo teu rosto,
impotentemente.

Quero mastigar teus cacos
um a um.
Para depois cuspi-los de vez
na cara cínica
dessa solidão desproporcional.

Érica Cristiane.

4 comentários:

MARCELO FARIAS disse...

Me lembrou Elis Regina: "Eu não te quero!... Eu te quero mal!..."

Iriene Borges disse...

Érica, belo poema.

Érica Cristiane... disse...

Obrigada por lembrarem deste. É o tipo de poema de amor que me tem sido permitido ultimamente... bjos.

NONSENSE disse...

Intenso! Muito belo!!!